Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

Quero compartilhar com vocês o caso de um processo de sucessão familiar que conheci recentemente em uma viagem ao Chile e que achei muito interessante.

A família está composta pelo casal, Ernesto e Patrícia, duas filhas e um filho. Todos casados, uma das filhas recentemente ficou viúva e cinco netos.

O casal possui uma propriedade pequena, de 30 ha, onde se cultivam frutas, cereja e Blue Berry. O proprietário preocupado com a sucessão familiar, resolveu dividir a propriedade em quatro partes iguais, vendeu para cada filho uma parte, ficando apenas com um quarto da área.

O produtor é o administrador da propriedade e no primeiro sábado de cada mês ocorre uma reunião para a prestação de contas e principalmente para a tomada de decisões futuras em relação a parte financeira, empregados e uso de tecnologias. Nas reuniões são tomadas, em conjunto, as decisões sobre os investimentos que serão realizados, e acertados o comprometimento de cada um nas diferentes atividades. Os lucros também são divididos proporcionalmente.

No final de cada ano ocorre uma reunião, entre os filhos e a mãe, que decidem, por voto secreto, se o pai tem condição física e intelectual de continuar à “frente” do negócio.

É interessante a forma encontrada pelo produtor para que os filhos se interessassem e participassem das atividades realizadas na propriedade rural. A incorporação de novas tecnologias sempre é muito discutida e obriga a todos avaliarem a eficiência da nova proposta. Considerando a lei natural da vida, quando ele não tiver mais condições de continuar na administração da propriedade, todos os filhos conhecem bem a movimentação financeira, de pessoal e de investimentos.

Compartilho com vocês esta experiência porque é interessante e observo que nossos produtores têm muita preocupação com a sucessão, mas efetivamente pouca atitude.

Exibições: 83

Responder esta

© 2019   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço