Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

Boa noite, gostaria de saber se alguém já realizou algum tratamento para leite LINA. Revisando a literatura cientifica, encontrei 4 motivos principais, os quais são: o desbalanço aniônico, os fatores genéticos, o estresse térmico e a mastite sub-clínica. Na propriedade enfrento um constante problema com vacas recém paridas, as quais apresentam leite LINA. Dessa forma, tento em vista a finalidade dessa página, peço a opinião dos caros colegas para um tratamento correto em vacas que apresentam o leite LINA.

Exibições: 2017

Responder esta

Respostas a este tópico

Bom dia Sr. Eduardo,

sou pesquisadora da Embrapa Clima Temperado, em Pelotas / RS e trabalho há 18 anos com LINA.

 

Inicialmente precisamos saber qual é o problema que o Sr. está enfrentando, se é LINA ou leite ácido.

O LINA apresenta resultado positivo no álcool/alizarol (com presença de grumos ou "corta no teste"), mas a acidez está na faixa normal ou alcalina (<=18ºD para leite de rebanho).

O Leite Ácido também apresenta resultado positivo no álcool, mas acidez >18°D.

Essa pergunta é fundamental pois as causas e a solução dos problemas são diferentes nos dois casos.

 

O LINA é causado principalmente por desequilíbrio ou falta de alimentação adequada, vacas com muito tempo de lactação, ou estresse térmico.

Se o seu problema for Leite Ácido, a solução está na higiene (ordenha, equipamentos, animais), e/ou refrigeração adequada.

 

Pelo relato “passa sem problemas no alizarol”, o caso não parece ser de LINA. Qual a graduação utilizada no teste?

 

Com relação a acidez, a faixa normal para leite de rebanho é de 14 a 18ºD. 

Para resultado do rebanho, acidez de 20°D corresponde a leite ácido, apesar de nessa faixa o resultado na fervura ser negativo. Para vacas individuais pode ser um pouco mais alto, se o teor de sólidos for elevado. Importante também observar o tempo de lactação, pois animais com pouco tempo (5 dias) podem ter leite com acidez maior.

 

Por exemplo, o rebanho da Embrapa que trabalho é Jersey e produz leite com cerca de 13,5 a 14% de sólidos. O leite do rebanho possui acidez em torno de 17,5 a 18ºD, apesar de alguns animais darem resultado um pouco mais alto.

 

Os resultados enviados são de leite de rebanho? São das 6 novilhas ou de mais animais?

Qual o resultado da CBT do leite?

 

Sugiro repetir o teste de acidez (Dornic). Nesse caso não façam logo após a ordenha, esperem o leite gelar por 3 horas e usem solução nova de hidróxido de sódio, com fator de correção ajustado.

Se for coletar individualmente, não colete direto da vaca. A amostra deve ser da ordenha completa do animal. Novamente, tem que esperar o leite gelar para fazer o teste.

A ordenha é balde ao pé ou canalizada? Tem coletor de amostra?

Sugestão também fazer uma revisão no resfriador (verificar a temperatura do leite 3 horas após a ordenha) e fazer limpeza da ordenhadeira e dos recipientes com leite.

 

Espero que as informações lhe ajudem.

Qualquer dúvida favor enviar para o email: maira.zanela@embrapa.br

Abraço

Maira

Meus Amigos, gostaria de compartilhar minha experiência aqui com vocês.

Na propriedade eu aumentei a quantidade de concentrado fornecido no pré-parto, além disso, alterei a metodologia da testagem do leite com o Alizarol; primeiramente coleto cerca de 3/4 de leite gelado no tanque, e misturo com 1/4 do leite fresco da vaca a ser testado, e faço a mistura no Alizarol, e comecei a considerar o corte com um score, que até certo limite considero como ideal, após essa etapa, caso o leite se mostre estável, ele é destinado a comercialização.

Então peço a vocês que reavaliem a dieta, a sanidade dos animais e a metodologia nos testes com Alizarol, uma vez que perde muito leite pensando que não estivesse ideal para o consumo.

Prezado Miguel,

foi desenvolvido uma metodologia do nível de instabilidade do leite ao Alizarol, utilizando-se diferentes graduações. 

Você pode acessar pelo link:

Nível de instabilidade do leite ao álcool

Esse teste permite identificar qual o nível de problema de cada animal ou rebanho.

Sobre a mistura que você está fazendo, quando misturar amostras de leite (de igual volume) com diferentes níveis de estabilidade, o leite vai "cortar" no ponto médio. É isso que acontece no leite do tanque.  

Por isso, quando aparece problema de LINA no leite do tanque, você tem provavelmente mais da metade das vacas com LINA.

Abraço

Maira Zanela 

Dra Maira, primeiramente agradeço sua atenção e recomendações. Fizemos todos os procedimentos e continuou passando bem no alizarol e mantendo 20 D no leite devidamente resfriado.

Resolvemos mudar a dieta de broto de brachiaria decumbens, para silagem de BRS Capiaçu, mantendo concentrado 24% proteina. Já no primeiro dia após a alteração resultado passou para 16.

Realmente era a dieta, pois Laticinio Naluça, aqui de Bom Sucesso enviou em paralelo leite para analise em botucatu, veja que bom resultado, a meu ver:

GOR 3,85

PROT 3,31

LACT 4,69

ST 12,80

ESD 8,95

CCS 78 OBS 1

NU 15,6

CRI 538

OBS 1 - VALOR EXTRAPOLA O VALOR MINIMO DE MEDICAO LINEAR DE CCS E FOI OBTIDO POR ESTIMATIVA.

Cordiais saudacoes

Maira B Zanela disse:

Bom dia Sr. Eduardo,

sou pesquisadora da Embrapa Clima Temperado, em Pelotas / RS e trabalho há 18 anos com LINA.

 

Inicialmente precisamos saber qual é o problema que o Sr. está enfrentando, se é LINA ou leite ácido.

O LINA apresenta resultado positivo no álcool/alizarol (com presença de grumos ou "corta no teste"), mas a acidez está na faixa normal ou alcalina (<=18ºD para leite de rebanho).ESTAVA EM 20 D

O Leite Ácido também apresenta resultado positivo no álcool, mas acidez >18°D. ESTAVA EM 20D

Essa pergunta é fundamental pois as causas e a solução dos problemas são diferentes nos dois casos.

 

O LINA é causado principalmente por desequilíbrio ou falta de alimentação adequada, vacas com muito tempo de lactação, ou estresse térmico. ERA ALIMENTAÇÃO

Se o seu problema for Leite Ácido, a solução está na higiene (ordenha, equipamentos, animais), e/ou refrigeração adequada. NAO ERA, CBT 13ML

 

Pelo relato “passa sem problemas no alizarol”, o caso não parece ser de LINA. Qual a graduação utilizada no teste? 78%

 

Com relação a acidez, a faixa normal para leite de rebanho é de 14 a 18ºD. AGORA 16

Para resultado do rebanho, acidez de 20°D corresponde a leite ácido, apesar de nessa faixa o resultado na fervura ser negativo. Para vacas individuais pode ser um pouco mais alto, se o teor de sólidos for elevado. Importante também observar o tempo de lactação, pois animais com pouco tempo (5 dias) podem ter leite com acidez maior.

 

Por exemplo, o rebanho da Embrapa que trabalho é Jersey e produz leite com cerca de 13,5 a 14% de sólidos. O leite do rebanho possui acidez em torno de 17,5 a 18ºD, apesar de alguns animais darem resultado um pouco mais alto. 13,8 ST. TESTE ANTES NOVA DIETA: UM ANIMAL 20 E CINCO 16 E 17

 

Os resultados enviados são de leite de rebanho? São das 6 novilhas ou de mais animais? DAS 6 NOVILHAS

Qual o resultado da CBT do leite? 13 MIL

 

Sugiro repetir o teste de acidez (Dornic). Nesse caso não façam logo após a ordenha, esperem o leite gelar por 3 horas e usem solução nova de hidróxido de sódio, com fator de correção ajustado.

Se for coletar individualmente, não colete direto da vaca. A amostra deve ser da ordenha completa do animal. Novamente, tem que esperar o leite gelar para fazer o teste. FOI REPETIDO CONF INSTRUCOES E MANTEVE 20 D

A ordenha é balde ao pé ou canalizada? Tem coletor de amostra? CANALIZADA COM COLETOR

Sugestão também fazer uma revisão no resfriador (verificar a temperatura do leite 3 horas após a ordenha) e fazer limpeza da ordenhadeira e dos recipientes com leite. NAO TIMHA PROBLEMAS

 

Espero que as informações lhe ajudem.

Qualquer dúvida favor enviar para o email: maira.zanela@embrapa.br

Abraço

Maira

Prezado Sr. Eduardo

que bom que o problema foi solucionado! Os resultados estão muito bons. 

Parabéns e sucesso no seu empreendimento.

Maira

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço