Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

Live discute as vantagens e possibilidades da fazenda 4.0

A terceira edição do Ideas for Milk Lives, realizada nesta terça-feira (22/9), abordou a importância do investimento das propriedades leiteiras em tecnologias digitais e como transformá-las em fazendas 4.0. O programa reuniu o chefe de transferência de tecnologia da Embrapa Gado de Leite, Bruno Carvalho; o gerente de produção animal da Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cotrijal), Renne Granato e o professor da Universidade de Kentucky (EUA), João Henrique Costa. As discussões foram moderadas pelo jornalista Altair Albuquerque, da empresa Texto Comunicação.

Durante a transmissão, a live recebeu acessos de 10 estados brasileiros. Após sua exibição o programa atingiu cerca de 1400 acessos em 13 horas, algo em torno de um acesso a cada 34 segundos, incluindo visualizações da Argentina e de Angola. Durante esse tempo somou 134 likes. O Idea for Milk Lives faz parte do movimento Idea for Milk, que engloba as caravanas 4.0, o Vacathon e o desafio de starups. As lives acontecem sempre às terças feiras às 17h, com temas originais, abordados de maneira inusitada, até o dia 20 de outubro. Portanto, mais quatro exibições ainda irão acontecer.

Renne Granato lembrou que começou a se informar sobre as tecnologias digitais para o campo em 2016, por curiosidade e necessidade, afinal ele atuava como diretor de assistência técnica da cooperativa. “Ao mergulhar neste mundo, o que vimos foi uma gama de possibilidades de gestão impressionante em todas as áreas, facilitando a tomada de decisões”, comentou.  Ele destaca a precisão e a velocidade dos dados e informações captadas que proporcionam uma grande capacidade de transformação do processo produtivo. “As fazendas do futuro não podem prescindir dessas tecnologias”, afirmou.

Solicitado, por Altair Albuquerque a comparar os cenários americano e brasileiro em relação a adoção de tecnologias digitais, o professor João Costa afirmou que tanto nos Estados Unidos quanto na Europa há maior disponibilidade dessas tecnologias para os produtores, que são mais organizados em associações e cooperativas, o que facilita o investimento.

Para ele, no Brasil há ainda empecilhos em razão do custo ser maior e há também uma resistência maior do produtor em investir naquilo que ele ainda desconhece. Segundo o professor, tanto nos países do hemisfério norte como no Brasil há muito campo para se desenvolver e a velocidade com que isso acontece, especialmente no mundo 4.0, é impressionante. “O valor da tecnologia não está no seu preço, mas na capacidade de analisar dados, fazer predições, facilitar o trabalho e torna-lo mais eficiente”, advertiu.

No campo da pesquisa agropecuária, Bruno Carvalho explica que o foco é estudar como utilizar e analisar melhor os dados gerados por essas novas tecnologias e desenvolver novas ideias e soluções próprias, de acordo com a necessidade do Brasil, ao invés de apenas adotar as ferramentas importadas. “E este tem sido o papel do movimento Ideas for Milk ao longo dos últimos anos, criar um ecossistema favorável ao desenvolvimento de soluções digitais e inovadoras para a pecuária de leite, conforme nossa realidade”, apontou.

O pequeno produtor- Uma importante questão foi levantada por Altair, como fica o pequeno produtor neste cenário? “O médio e o grande têm maiores possibilidades de experimentar e investir”, observou. Granato informou que a Cotrijal tem reunido capital para implementação de diversos projetos que utilizam tecnologia digital. A ideia é que todos os produtores aprendam juntos e avaliem de forma segura como e onde investir. “Mas para isso tivemos que nos preparar muito para lidar com a resistência natural do produtor e com tanta novidade disponível”, recordou.

João Henrique frisou que o primeiro passo para transformar uma fazenda em 4.0 é procurar onde estão os principais problemas e desafios da propriedade e investir na tecnologia que vai resolver essas questões. “Não adianta investir num sistema que vai aquecer o ambiente para as vacas se a fazenda é em Pernambuco”, exemplificou. Ele reforça que não existe uma única solução para tudo. “Cada desafio demanda uma ferramenta para solucioná-lo. É preciso, no entanto, conhecer essas soluções”, completou.

De acordo com Carvalho, a pesquisa agropecuária tem a capacidade de mostrar os resultados e os ganhos que se pode obter com o investimento em tecnologia. “O uso otimizado dos recursos é que vai garantir a rentabilidade, com a redução dos custos e aumento da produção”, ressaltou. Ele também afirmou que as startups têm trazido soluções com custos bastante acessíveis e que o investimento em serviços também pode ser uma saída para reduzir o custo inicial de implementação de determinada solução. Segundo o pesquisador, Há hoje uma grande oferta de aluguéis de equipamentos e até mesmo de serviços de monitoramento e equipamentos de ordenha robótica, entre outros. Há ainda os testes gratuitos disponibilizados pelos aplicativos e as linhas de leasing oferecidas por instituição financeiras. “O produtor não precisa apenas adquirir a tecnologia, ele pode alugá-la e, se compensar, investir na compra futuramente. O mundo 4.0 está trazendo novos de modelos de negócios que podem facilitar para os produtores com menor capacidade de investimento”, garantiu.

O programa pode ser assistido pela REPILeite ou pelo canal da Embrapa no Youtube

Ideas for Milk – O Ideas for Milk é uma idealização da Embrapa Gado de Leite, em parceria com Agripoint, KER Innovation, Ciatécnica, Texto Comunicação, que entra em sua quinta edição. E conta com o Patrocínio Diamante do Sebrae; Patrocínio Ouro da Tetrapak, Boehringer Ingelheim e TIM; Patrocínio Prata da Faemg/Inaes, Silemg, Vaccinar e Patrocínio Bronze da DSM/Tortuga, ABDI, CLASS, JA Saúde Animal, Nestlé, Piracanjuba, Vivalácteos, Belgo Bekaert e ABIQ. Apoio da Microsoft, Abraleite, Vivare, Revista Indústria de Laticínios e Revista Balde Branco. Além do Ideas for Milk Lives, o evento é formado pelo Vacathon, Caravana 4.0, Desafio de Startups e pelo Prêmio Ideas for Milk de Inovação. Além universidades brasileiras, participarão equipes de Portugal (Universidade de Évora), Angola (Instituto Superior Politécnico de Tecnologias e Ciências – ISPTEC) e Argentina (Bolsa de Commodities de Rosário). Para outras informações sobre os eventos, visite o site do Ideas for Milk: https://www.ideasformilk.com.br/.

Marcos La Falce

Embrapa Gado de Leite

Contatos para a imprensa
Mais informações sobre o tema

Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Exibições: 31

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede de Pesquisa e Inovação em Leite para adicionar comentários!

Entrar em Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

© 2020   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço