Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

Forrageiras alternativas na alimentação de vacas leiteiras

USO DE BOTÃO DE OURO NA ALIMENTAÇÃO DE VACAS LEITEIRAS

 

Leonardo Henrique Ferreira Calsavara (Emater-MG)

Rafael Sandin Ribeiro (UFSJ)

Rogério Martins Maurício (UFSJ)

 

Uma das limitações para a produção de bovinos é a disponibilidade de alimentos baratos e de qualidade, especialmente em períodos de seca ou estiagem. A cotação em dólar, o baixo estoque mundial e o alto preço dos ingredientes da ração impactam diretamente na produção de fontes proteicas de origem animal, como carne e leite, utilizadas na alimentação humana. A alimentação animal corresponde a 60 a 80% do custo operacional total da produção do leite.

Como alternativa para suprir o déficit forrageiro das pastagens, a ensilagem de milho é o método mais utilizado no Brasil. Entretanto, apenas a silagem não é capaz de atender as exigências nutricionais da vaca. Assim, torna-se necessária a suplementação com concentrados à base de milho e soja, alimentos de preços elevados e também utilizados por humanos, monogástricos e para produção de biocombustíveis.

A utilização de volumosos suplementares de elevados teores proteicos (arbustivas ou arbóreas, leguminosas ou não) pode ser uma opção capaz de reduzir a necessidade de concentrado e os custos com a alimentação. Este artigo tem como objetivo apresentar ao produtor rural a planta “Botão de Ouro” (Tithonia diversifolia) como alternativa forrageira para nutrição de vacas de leite. Para tal seguem informações baseadas em estudos conduzidos na UFSJ e em outras instituições (IFET - Barbacena; CIPAV - Colombia; Fundaccion Produce - México), as quais podem esclarecer o leitor quanto à forma de plantio, colheita e, formas de uso em dietas para vacas em lactação.

CARACTERÍSTICAS

Família da Asteraceae,

Planta herbácea-arbustiva,

Elevada produção de biomassa

Atingir de 1,5 a 4m de altura

Flor amarela, com forte odor de mel Muito ramificada

Multifunções

Origem e distribuição geográfica

América Central

Amplamente difundida na região tropical do mundo

Presente em diferentes continentes

Características agronômicas

Exigência a clima e solos

Altitude: desde o nível do mar até 2.500 metros

Chuva: 800 a 5.000 mm

Temperaturas: 20e 27º C

Cresce em diversos tipos de solo

Ácidos

Saturação mediana de alumínio

Baixo conteúdo de fósforo

Preparo do solo

Por meio de aração profunda e gradagem. Dependendo das condições de compactação a aração pode ser seguida por subsolagem

Plantio

Estacas de 30 a 50 cm de comprimento

Colhidas no terço médio da planta

O plantio em sulcos, profundidades de 25 a 30 cm, em fileiras duplas

Cobertas com leve camada de solo de 5 a 10 cm Ou

Via sementes (pouco utilizado no Brasil, mas com larga utilização em outros países)

Quebrar a dormência com água a 80ºC, por 30 segundos

Espaçamento de plantio

 Plantio solteiro (monocultura) 1x1mou0,75x0,75m

Consorciado com capim 5 entre linhas e 0,25 m entre estacas

Utilização do Botão de Ouro para bovinos

Quando pastejar ou colher?

Estádio do emborrachamento (antes da floração)

Elevada produção de forragem

Alto valor nutritivo

Valor nutricional no emborrachamento

Produção de biomassa: 70 t ha-1 / corte Crescimento rápido

Proteína bruta: 14,8 a 28,8%

FDN: 47,6%

FDA: 33,6%

Balanceamento de dietas contendo Botão de Ouro

Exemplos de dietas para vacas leiteira (550 kg de P.V. e produtividades médias de 15 e 25 kg/leite/dia) com diferentes níveis de inclusão de Botão de Ouro (Tabelas 1 e 2).

Observa-se que a inclusão de Botão de Ouro promoveu a redução das despesas alimentares sem alterar a oferta de proteína, energia e fibra para a produção de leite em todos os níveis de inclusão. Com a inclusão de 20% (kg de matéria natural na dieta) de Botão de Ouro em um rebanho composto por 25 vacas em lactação, produção média de 15/litros/dia, é possível inferir uma economia mensal de R$ 975,00 nas despesas com alimentação, sem afetar o desempenho animal.

Simulando-se um rebanho composto por 25 vacas em lactação, produção média de 15/litros/dia, recebendo 20% (kg de matéria natural na dieta) de Botão de Ouro é possível inferir uma economia mensal de R$ 1.275,00 nas despesas com alimentação, sem afetar o desempenho animal.

OUTROS USOS DA PLANTA

Constituinte de rações para aves, ovinos e coelhos

Substituição de 15% de MS do milho contido na dieta

Controle de erosão

Sistema radicular profundo

Capacidade de desenvolvimento em solos com baixos níveis de fertilidade

Elevada cobertura vegetal, reduzindo os impactos da chuva e do vento sobre o solo

Adubo verde

Ciclagem de nutrientes: nitrogênio (3,5% MS), fósforo (0,37% MS), potássio (4,1% MS) Absorção de fósforo, mesmo que esse esteja indisponível para outras plantas

17 t de MS de Botão de Ouro equivalem a 45 kg de fósforo

Planta apícola

Inflorescência em forma de capítulos

Inúmeras flores

Forte odor de mel

Atratividade das abelhas do gênero Apis mellifera, Trigona spinipese Tetragonista angustula

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Botão de Ouro apresenta potencial forrageiro na inclusão de dieta de vacas em lactação, principalmente devido ao alto teor proteico e elevada produção de biomassa, podendo reduzir o custo final.

Exibições: 341

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede de Pesquisa e Inovação em Leite para adicionar comentários!

Entrar em Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

Comentário de William Fernandes Bernardo em 1 maio 2019 às 18:26

Estou multiplicando a titônia em Pinheiros-ES para oferecer para gado de corte.

Comentário de William Fernandes Bernardo em 1 maio 2019 às 18:25

Leonardo, obrigado pelos relatos da experiência com o uso de titônia (botão de ouro) em Coronel Xavier Chaves/MG. Estou multiplicando as mudas que obtive com você no ano passado. Veja a foto das primeiras plantas que nasceram em Pinheiros, município no norte do Espírito Santo.

Comentário de Chubert Ferreira Nunes em 29 abril 2019 às 17:23

Caro Leonardo,

Agradeço a atenção. Espero em breve multiplicar as mudas ofertadas.

Rua Senador Milton Campos, 701, Centro, CEP 35984-000, Dionisio/MG.

Muito Obrigado!

Atenciosamente,

Chubert Ferreira Nunes

Comentário de Leonardo Henrique Ferreira Calsa em 29 abril 2019 às 17:20

Prezado Chubert, 

passa o endereço completo, por favor. Você vai pagar apenas a postagem.

Aguardo,

Muito obrigado!

Atenciosamente,

Leonardo Henrique Ferreira Calsavara

Comentário de Leonardo Henrique Ferreira Calsa em 29 abril 2019 às 17:00

Oi, William, boa tarde! Como vai?

Satisfação em poder conversar com você sobre plantas alternativas na nutrição de ruminantes.

Em 2013, realizei o primeiro plantio de Tithonia diversifolia em Coronel Xavier Chaves, uma área de 96 m². De lá pra cá fomos aumentando a área cultivada e hoje temos 2 ha em plena produção. Inicialmente, a Tithonia foi oferecida no cocho, picada fresca, em substituição parcial à silagem de milho. Os animais receberam 50% de Tithonia diversifolia, sem apresentar queda na produção de leite, 18 l/vaca/dia.

Diante desse fato, o produtor almejou ampliar a área de plantio. Decidimos implantar a Tithonia em alley cropping system (cultivos em faixas), consorciada com grama estrela (Cynodon nlemfuensis), para o pastejo direto. Além da grama estrela testamos a Tithonia com Brachiaria Ruziziensis.

Posteriormente, adotamos uma outra estratégia de pastejo, através do banco proteico. O período de ocupação foi de 1 dia com 20 dias de descanso.

E, finalmente, introduzimos a Tithonia no sistema iLPF. Veja a foto do proprietário, Vanderlei dos Reis Sousa,  pastoreando o rebanho no  piquete de Tithonia. 

Muito obrigado pela participação.

Abraço,

Leonardo Henrique Ferreira Calsavara


Comentário de Leonardo Henrique Ferreira Calsa em 29 abril 2019 às 15:22

Caro Dulio, boa tarde!

É sim. Em alguns regiões do país ela é conhecida como flor de mel, devido ao seu alto potencial melífero. 

Muito obrigado pela pergunta.

Abraço,

Leonardo Henrique Ferreira Calsavara

Comentário de Chubert Ferreira Nunes em 29 abril 2019 às 14:31

Olá Leonardo, boa tarde!

Agradeço o retorno. Tenho interesse sim, qual valor de cada estaca? e, se preferir, faça a cotação do frete para o CEP 35984-000 que faço o depósito do valor das estacas junto com o da postagem.

Atenciosamente,

Chubert Ferreira Nunes

Comentário de dulio gomide em 29 abril 2019 às 10:52

é a mesma flor de mel???

Comentário de William Fernandes Bernardo em 29 abril 2019 às 7:53

Leonardo, tive a oportunidade de visitar fazendas de leite em Coronel Xavier Chaves/MG, região em que você trabalha e onde produtores utilizam a titônia, ou botão de ouro, na alimentação do gado de leite. Você poderia nos contar um pouco dessa experiência?

© 2019   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço