Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

A alimentação do rebanho é um componente importante nos custos de produção do leite. Durante a época seca, ocorre escassez de pastagem, e muitos produtores utilizam silagem de capim para suplementação volumosa. Existem algumas vantagens nesta prática:

- alta produção de matéria seca (30-50 t/ha/ano);

- permite vários cortes por ano;

- trata-se de cultura perene ou semiperene (ao contrário do milho e do sorgo que são culturas anuais);

- a capineira ou pastagem vedada para ensilar sofrem menos com eventuais secas do que uma lavoura de milho ou de sorgo.

Contudo, o valor nutritivo da silagem de capim é inferior à de milho e de sorgo. Além disso, como apresenta maior teor de umidade no momento da colheita, ocorrem mais perdas no processo de ensilar. Portanto, o seu uso deve ser feito de forma racional, com critério. Praticamente, toda planta forrageira pode ser ensilada, mas quando se fala em silagem de capim, predominam os gêneros Pennisetum (capim elefante), alguns Panicum (Colonião), Brachiaria e Cynodon (Estrela Roxa, Tifton 68, Tifton 85).

Se o produtor seja organizado, faça o controle leiteiro, e separe seu rebanho por categoria animal (alta, média e baixa produção; vacas em lactação, vacas secas e novilhas) ele pode usar a silagem de capim, em substituição à silagem de milho e ter bons resultados. No CEJHB, é feita silagem de capim há alguns anos, sendo fornecida aos animais do sistema mestiço. Alguém mais tem uma experiência para compartilhar?

Exibições: 780

Responder esta

Respostas a este tópico

Amigo Persio,

já vi muito falar sobre a silagem de capim. Eu vi também sobre o pre secado do capim tifton. Fiz alguns testes com pequenos pacotes e tive boa conservação. Como não tinha muito na época acabei deixando para um teste mais a fundo, com analise bromatológica para outro momento.

Veja no youtube sobre silagem de capim pre secado. Reportagem do globo rural.

Tive dificuldade de encontrar saco plástico resistente.

Vamos conversando. 

Bom dia, Sidney!

Obrigado pela sugestão, vou procurar o vídeo no YouTube. O alto custo de produção da matéria seca da silagem de milho nos leva a procurar alternativas para o produtor rural.

Boa semana!

Já fiz silagem de capim elefante e tive bom resultado. Tomei o cuidado de deixar o capim murchar um pouco se estiver muito verde,adicionei 5% de polpa cítrica moída e inoculante. Ficou bem palatável,o gado comeu muito bem e a perda foi mínima.

Bom dia, Jorge!

Sim, o emurchecimento e/ou o uso de aditivos contribuem para melhorar a qualidade da silagem de capim. A polpa cítrica desidratada e peletizada é um excelente aditivo. Sobre os inoculantes bacterianos, há opiniões divergentes: alguns produtores conseguiram resultados positivos e outros não. Mas é uma opção interessante, e merece nossa atenção.

Obrigado pela sua participação.

Sabe que eu ainda acredito no potencial dessa técnica?

Acho que com o manejo adequado podemos tirar proveito de várias coisas, integrando o sistema com a pastagem rotacionada.

Boa tarde, Sidney.

Sim, é muito provável. Por exemplo: um produtor rural poderia vedar parte de suas áreas de pastagens (10-15%) com o objetivo de ensilar o capim, para fornecimento durante o período de escassez. Ou poderia plantar uma capineira, exclusivamente com o objetivo de ensilar, aliviando a pastagem durante o período de escassez (quando a silagem de capim seria usada). provavelmente, o manejo racional de pastagens, aliado à conservação de forragem (feno, pré secado ou silagem), traria muitos benefícios para a produção de leite a pasto.

Boa noite, Pérsio.

Sobre a silagem de capim elefante só tenho pontos favoráveis a comentar. A organização e condução de um sistema de produção de leite. deve-se começar pelo planejamento forrageiro, pois com ela conseguimos prever o potencial de produção da propriedade. Nós que estamos em um país de clima tropical, temos como características favoráveis, o clima que nos proporciona um grande acúmulo de biomassa vegetal. O capim elefante vem como uma alternativa, suficiente capaz de suprir a demanda existente por produção vegetal para alimentação animal. 

Para o capim elefante, na minha opinião, com a experiência que tenho na atividade, nos serviços de ensilagem prestados aos produtores de minha região, a melhor alternativa para o capim elefante é a ensilagem. Como você citou as vantagens, ela torna o sistema de produção mais barato e abundante para o produtor.

O que acontece no geral é que a mentalidade da maioria dos produtores de leite é priorizar a produção por animal e não a produção por área. Se estudarmos a base da cadeia da produção de leite, notamos que a forragem é o inicio da cadeia, e o capim elefante na forma de silagem, pra nós que estamos no Brasil, é a melhor opção para produção de  um leite barato.

O que precisa ser feito com o capim elefante é uma maior estudo e difusão de tecnologia, para mostrar a todos o potencial que ainda está inexplorado, do capim elefante. Se olharmos alguns estudos fora do brasil, países como Colombia, Costa Rica, Republica Dominicana onde tem se conseguido em alguns casos produtividade de 300 ton de MS/ ha/ano, notamos que ainda temos um longo caminho a percorrer. Precisamos pensar mais em técnicas que possam melhorar, otimizar, baratear e acelerar nossa produção.

Uma boa semana a todos, e estamos aqui para participar.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço