Rede de Pesquisa e Inovação em Leite

 Autoras: Gabrielle Oliveira Soares – Graduanda em Medicina Veterinária da UFJF e Mariana Campos – Pesquisadora da Embrapa Gado de Leite

A diarreia é uma das principais doenças que acometem bezerros até os 30 dias de vida, gerando perdas produtivas e econômicas. O quadro de maior preocupação, quando se fala em diarreia, é a desidratação. Como os neonatos possuem uma maior porcentagem de água corporal, a perda de líquidos causada por uma diarreia, que pode chegar a casos extremos até 21% do peso corporal, é grave e pode levar ao óbito do animal. Como pode ser observado na tabela abaixo (Tabela 1), o grau de desidratação pode ser aferido pelos sinais clínicos apresentados por ele, como turgor cutâneo e tempo de repreenchimento capilar, aferido, o primeiro, pela pele do animal, e o segundo, pelo tempo de retorno da coloração da mucosa oral após leve pressão, ambos em segundos, sendo os parâmetros normais menores que dois segundos de retorno.

 

Tabela 1. Caracterização clínica da desidratação

Fonte: Adaptado de Dearo (2001) e Lisboa (2004)

Tais alterações serão avaliadas caso haja alterações comportamentais, o tratador deve possuir um olhar atento, principalmente nos recém nascidos, já que pequenas alterações, como apatia e permanência em decúbito, podem ser indicativos de que o animal possa desenvolver tal enfermidade.

Portanto, para que haja melhor compreensão em relação as mudanças comportamentais, a figura abaixo (Figura 1), exemplifica, pelo comportamento do animal desde alterações sutis, a graduação de 0 a 8% de desidratação mostra a evolução de apatia do animal, porém com ele ainda em estação, quando já deve ser iniciada a hidratação oral para reverter, já nos quadros iniciais. Acima de 8% de desidratação, os animais já apresentam prostração, que pede intervenção mais elaborada, ou seja, uma reidratação intravenosa, mais cara, mais trabalhosa. Quanto antes iniciarmos o tratamento com hidratação dos animais, melhores os resultados!

 

Figura 1. Evolução do quadro clínico do animal com aumento da desidratação

Fonte: Adaptado Universidade de Wisconsin

A reposição oral, pode ser realizada pelo próprio tratador, em balde ou via sonda nasogástrica ou orogástrica, com fórmula simples (Figura 2), desenvolvida pelos professores Antônio Último de Carvalho e Elias Jorge Facury Filho, da Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Figura 2. Fórmula de Soro Oral para Bezerros

Com essa receita simples e barata, é possível reidratar as bezerras que se mostrarem apáticas e em estágios iniciais de diarreia. O soro oral tem boa aceitação pelos bezerros, quando oferecida em balde, normalmente bebem voluntariamente já que é adocicado, e comprovou-se muito eficaz, sendo protocolos de muitas fazendas, inclusive do Campo experimental da Embrapa Gado de Leite.

Vocês já utilizam soro oral na fazenda de vocês? Compartilhem suas experiências!

Exibições: 85

Responder esta

© 2020   Criado por Embrapa Gado de Leite.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço